Gripe de gato: o que é e como identificar essa doença

Gripe de gato: o que é e como identificar essa doença

Gripe de gato: o que é e como identificar essa doença18 de outubro de 2017A rinotraqueíte viral, também conhecida como gripe de gato ou complexo respiratório felino (CRF), é,

Leia tudo

A rinotraqueíte viral, também conhecida como gripe de gato ou complexo respiratório felino (CRF), é, além de muito incômoda, muito necessária de atenção. Apesar de ser uma doença simples, se não tratada corretamente, a gripe de gato pode levar o seu bichano a morte.

Transmissão

A doença é causada pelo herpesvírus e se propagada pelo contato entre um animal saudável e um infectado, além do uso comum de objetos (brinquedos, tigelas de ração) que possam conter secreções.

A gripe só pode ser transmitida de gato para gato. Humanos, cachorros e outros animais não podem ser infectados.

Produtos mais buscados Ver todos os produtos de Cachorro | Gato


Diagnóstico da gripe de gato

Os primeiros sintomas apresentados pelos gatos com a gripe de gato são bem parecidos com uma gripe humana. Entre eles estão febre, espirros, nariz com secreções.

Por agir no complexo respiratório do miau, ele também afeta os olhos e bocas do bichano. Assim, o gato pode ter problemas como conjuntivite e desenvolver aftas e lesões na boca.

Quanto mais novo for o miau, piores podem ser as consequências, chegando a depressão e perda de visão. Por isso é necessário levar ao veterinário tão cedo os sintomas aparecerem.

Tratamento

Diagnosticada por meio de exames laboratoriais, a doença precisa ser acompanhada por um veterinário. Não tente medicar o seu gato sozinho e nem espere que a gripe de gato tenha uma melhora natural como acontece com humanos.

A gripe de gatos geralmente é tratada com remédios antibióticos e é combinada a outros tipos de ajudas, como inalações, hidratação, fisioterapia respiratória e até mudanças na alimentação por um alimento mais fácil de mastigar.

Vacinação

É importante lembrar que essa doença pode ser prevenida por meio da vacina polivalente tríplice ou quádrupla.

Ela pode ser administrada a partir de oito semanas de vida e um reforço anual deve ser realizado para manter a eficácia.